“Ninguém pode ficar para trás”

“Ninguém pode ficar para trás”

É este o lema da Associação Académica da Universidade da Beira Interior, em todos os dias de partilha na academia e hoje, em especial, no Dia Nacional do Estudante.

Pandemia, confinamento e distanciamento têm sido os termos mais presentes no nosso dia-adia. Contudo, e com o processo de desconfinamento em curso, todos temos um papel fundamental em garantir que estes serão efetivamente conceitos transitórios.

Para que isto aconteça temos de assegurar que o tão esperado regresso à normalidade seja pleno, e que todos, sem exceção, possam estar em condições de seguirem as suas escolhas, aspirações e sonhos.

Questões económicas, sociais ou de saúde, física e especialmente mental, no contexto atual, não podem travar o progresso de alguém que está disposto a travar batalhas para conseguir com esforço, dedicação e resiliência, ultrapassar as adversidades e conquistar os seus objetivos.

É necessário garantir condições e verbas aos nossos Serviços de Ação Social das Instituições de Ensino Superior para que consigam chegar a mais estudantes e a diferentes contextos. Não é possível que se verifiquem casos como de estudantes, um pouco por todo o país, a necessitar duma consulta psicológica, e a sua universidade, através do seu gabinete especializado, só
conseguir agendar a mesma passado quase 2 meses.

É urgente apoiarmos e estarmos atentos a estas situações. 24 de março é um dia de celebração desde 1987. Assinala a luta dos estudantes pelos direitos
à educação e à liberdade, em conjunto com toda a comunidade, família, docentes e nãodocentes. Comemoramos este dia, mas as suas diretrizes devem acompanhar-nos sempre.

Não podemos esquecer a importância do estudante na vida escolar e na comunidade em geral, na convivência e cooperação entre pares, na democratização e no desenvolvimento do ensino, na presença de conceitos como igualdade, equidade, justiça e liberdade.

É necessário que as forças governamentais acreditem em nós. Apostar no ensino e na educação é apostar numa voz ativa na construção de uma sociedade, é acreditar no acontecer de um novo mundo.

Estudar e ser estudante não é uma condição momentânea. É algo permanente, que fica para a vida e que terá reflexo na forma de pensar e construir a evolução.

Olhemos para o nosso País com a visão necessária para voltar a investir no presente, para o futuro do ensino superior do país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *