SÉ DA GUARDA VAI TER ÓRGÃO DE TUBOS DE 930 MIL EUROS

SÉ DA GUARDA VAI TER ÓRGÃO DE TUBOS DE 930 MIL EUROS

A Sé Catedral da Guarda vai deixar de ser a única do país que não tem um órgão de tubos.

O órgão de tubos vai ser construído pelo organeiro Frederico Desmottes, de Espanha, no fundo da nave central do templo religioso, e a estimativa de construção aponta para novembro de 2023.

A construção de um instrumento musical que custará 930 mil euros e será financiado no âmbito do Programa Operacional Regional do Centro – Centro 2020.

“Um investimento global superior a 930 mil euros, dos quais cerca de 750 mil apoiados no âmbito do Centro 2020 e o restante valor, com orçamento próprio da Direção Regional de Cultura (DRC), da Diocese da Guarda (…) e, neste momento, com o apoio dos municípios, nomeadamente do município da Guarda”, referiu Suzana Menezes, diretora Regional de Cultura do Centro.

A diretora Regional de Cultura do Centro mencionou que o valor global do investimento será referente “não só à reconstrução do órgão, enquanto instrumento, como também à criação da plataforma de suporte que vai sustentar o órgão, precisamente ao fundo da nave central da Sé”.

A construção do órgão é uma antiga pretensão da Diocese e que no novo instrumento serão inseridos “elementos decorativos e mecânicos” do órgão de talha dourada que existiu na Catedral da cidade e que foi desmantelado no início do século passado, durante a realização de obras de restauro.

A presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, Isabel Damasceno, disse que a reposição de peças do antigo órgão é “uma medida de uma enorme inteligência”, pois permite “recuperar aquilo que foi destruído”.

O processo foi concluído após a elaboração de “três complexas candidaturas” e da realização de “quatro exigentes concursos internacionais”.

O bispo da Guarda, Manuel Felício, disse, por sua vez, que a Sé da Guarda é a única do território nacional que não possui órgão de tubos e a sua construção será importante não só para o culto religioso, como também para o panorama cultural da região.

Já o presidente da Câmara da Guarda, Sérgio Costa, admitiu que o futuro órgão de tubos será “mais um fator de atração cultural” para a cidade.

“Este investimento vai marcar e contribuir para a dinamização cultural de toda a região”, adiantou o autarca.

Na cerimónia protocolar foi assinada o contrato de adjudicação da empreitada de recuperação do órgão de tubos da Sé da Guarda.

A Sé da cidade da Guarda é um templo de estilo gótico, todo em granito, que levou cerca de 150 anos a construir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *