IPG VAI FORMAR QUADROS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA ÁREA DE CIBERSEGURANÇA

IPG VAI FORMAR QUADROS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA ÁREA DE CIBERSEGURANÇA

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) assinou um memorando de entendimento com o Centro Nacional de Cibersegurança.

Este memorando prevê a qualificação e a requalificação de cerca de dez mil quadros da Administração Pública na área de cibersegurança.

A iniciativa surge no âmbito do programa C-Academy, do Centro Nacional de Cibersegurança, que irá juntar instituições de ensino superior e disponibilizar conteúdos e formações alinhados com o Referencial de Competências de Cibersegurança.

“Esta parceria com o Centro Nacional de Cibersegurança resulta da aposta que o Politécnico da Guarda tem feito na área das Tecnologias de Informação e Comunicação, mais precisamente na cibersegurança, lançando formações e formalizando parcerias com empresas tecnológicas”, afirma Joaquim Brigas, presidente do IPG.

O presidente acrescenta que irão “mobilizar os nossos docentes para adaptarem, criarem e lecionarem conteúdos para a qualificação de quadros, preparando-os para mitigar os riscos e impactos decorrentes de incidentes no ciberespaço.”

Para o responsável pela Cibersegurança do Politécnico da Guarda, Pedro Pinto, “a integração do IPG na C-Academy reforça o compromisso da instituição no contributo de uma melhor literacia digital à escala nacional. Face a todas as exigências e necessidades, o IPG, como instituição de ensino superior de excelência, tem de se manter na linha da frente na área da cibersegurança”.

O programa C-Academy é um projeto de abrangência nacional, financiado pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), que prevê formar cerca de 10 mil peritos em cibersegurança nos próximos quatro anos.

O objetivo é reforçar e atualizar as competências de segurança informática dos quadros da Administração Pública.

Para além de lecionar aulas, o Politécnico da Guarda irá também contribuir para o desenho e a produção de conteúdos, alinhados com as competências definidas no Quadro Nacional de Referência para a Cibersegurança (QNRCS).

Toda a formação funcionará num modelo de microcréditos, através de cursos intensivos de 35 e de 70 horas. O memorando de entendimento para a formação avançada foi assinado na oitava edição da conferência C-Days, uma iniciativa do Centro Nacional de Cibersegurança, que este ano foi dedicada ao tema “Apostar na Prevenção”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.