Humor nas dicas de fim de semana

O VivArte faz-lhe companhia durante os dias quentes de Verão. Veja o que ler, ver e ouvir este fim de semana, de 21 a 23 de agosto.

20 de Agosto de 2020
Humor nas dicas de fim de semana

Este fim de semana, sente-se no sofá e relaxe com uma boa dose de comédia. Junte a família e prepare as pipocas! Há espaço para risadas e boa disposição.

Desde o inicio do mês que temos sugerido várias opções de literatura, música e indespensáveis da sétima arte, que achamos necessárias e adaptadas ao contexto atual. Para “mudar de ares”, desta vez levamos-lhe um ambiente mais descontraído e animado, que alegre os serões de fim de semana.

Eis as nossas recomendações:

VER: “O Grande Lebowsky” (1998), de Joel Coen e Ethan Coel

Para além da grande interpretação de Jeff Bridges no papel de um hippie descontraído e despreocupado (Lebowsky), “O Grande Lebowsky” (The Big Lebowski), o filme de comédia dos irmãos Coen faz jus ao seu nome.

Aclamado por muitos cinéfolos e empobrecido pela critíca, considerado como “comodista e caótico”, cabe a cada um dos espetadores desenvolver o juízo crítico… mas, isso fica para depois, se prometer seguir esta sugestão. Vamos ao que interessa:

Jeff Lebowski, protagonizado pelo incontonável – Jeff Bridges, é um desempregado convicto de si mesmo. Intitulando-se de “The Dude”, Jeff leva uma vida solitária, ociosa e de boémia, quando, um dia, um esquema (mal-entendido) da máfia, o transporta para um mundo ambicioso e de vaidade. A comédia gira em torno da postura de Lebowsky no seio de milionários exuberantes, quando este é confudido como o verdadeiro “Grande Lebowski”, um homem de negócios, não de todo… “amigável”. Sem demoras, Jeff elabora um plano ridiculamente genial para sair de cena, repleto de esquemas descabidos (que…por incrível que pareça, resultam) e que ensaiam muito bem na postura do ator Jeff Bridges.

O filme não teve grande sucesso de bilheteira e a critica derrubou-o dos spotlights. Ainda assim, é um filme divertido que dá aso a umas boas gargalhadas em família, perfeito para fazer lhe fazer companhia e animar-lhe o final do dia.

Baseado no livro – ‘The Big Sleep‘, de Raymond Chandler, o filme teve sucesso entre os amantes da sétima arte. A personagem interpretada por Jeff Bridges, cuja pesonalidade cativou os espetadores, deu origem a uma religião em homenagem ao Grande Lebowsky, descomprometida de achievments e de objetivos na vida, intitulada o “Dudeísmo”.

‘The Big Lebowsky’ Trailer Oficial (1998)

Ler: “A Doença, O Sofrimento e a Morte entram num Bar”, de Ricardo Araújo Pereira (2016)

Parece-lhe um tom sério? De todo. Se é para falar de humor, fale com um especialista. Porquê? O Dr. Ricardo Araújo Pereira explica.

“A Doença, o Sofrimento e a Morte” é nada mais nada menos, que uma escolha feliz. Nele encontramos vários aspetos muito próximos à vida de um humorista que conquistou os corações dos portugueses e chegou ao topo num ápice.

Numa espécie de coletânea de piadas / anedotas, tipicamente anglo-saxónicas, o humor é a matéria do dia. E o que faz Ricardo Araújo Pereira ser o melhor humorista português? a resposta fica no ar até ler este livro. Ricardo Araújo Pereira desconstrói todo o preconceito daquilo a que chamamos de “sentido de humor”, conotando-o como uma forma respeitável no seio da cultura artística, exigente na apresentação e fantástica nos resultados.

Neste livro, RAP procura esclarecer as pretensões de fazer humor, como um modo muito especial e próximo, de olhar para as coisas e de pensar sobre elas. Logo no início, pensamos tratar-se de algo um tanto sofisticado. Damos de caras com personagens como Shakespeare, Beckett, Camilo Castelo Branco (aleatório), Sartre e Chesterton, que rapidamente são desconstruídas pela epígrafe final da luta entre George Foreman contra Muhammad Ali. Encontramos uma boa dose de histórias que levam o leitor a tentar responder à pergunta: “O Que é o Humor?”.

Um juízo critíco diferente, que abre espaço para o seu. RAP deixou para si a resposta. Até poderia fazer uma piada sobre isto, mas fica só a sugestão.

“A Doença, o Sofrimento e a Morte entram num Bar”, Ricardo Araújo Pereira, 2016.

Ouvir: Podcast – “Tubo de Ensaio”, de Bruno Nogueira

E por falar em humoristas… desculpem, mas quem não tinha saudades de Bruno Nogueira? Depois de sermos acarinhados, todas as noites, às 23h00, pelos seus diretos no Instragam de Bruno Nogueira, o comediante alegrou-nos a quarentena e fez história nas redes sociais.

“Tubo de Ensaio” é um podcast em género de stand-up comedy , de notícias irreverentes e atuais, bem presentes no nosso pais e no mundo. Temas “picantes”, discutidos de uma forma humoristícamente bem elaborada… De assuntos que oscilam entre o cansaço da política, passando pelos comentários inteligentes, a figuras incontornáveis da sociedade portuguesa, às soluções ridiculamente bem pensadas para os maiores problemas do mundo.

Experiências interessantes discutidas num tempo que nem ocupa 5 minutos, na companhia de Bruno Nogueira e João Quadros, descontraídos e divertidos, como sempre.

Da política ao desporto, o ingrediente é o mesmo… humor e boa disposição. Depois do café da manha, “Tubo de Ensaio” é o estimulo perfeito para enfrentar mais um dia de trabalho, em boa companhia. Se não for o caso e estiver quase quase a ir de férias… recordo que ‘Tubo de Ensaio’ é, ainda, um excelente parceiro de viagem. (Fica a sugestão para o caso de o co-piloto não estar à altura).

Pode ouvir “Tubo de Ensaio” de segunda a sexta, na TSF, às 08h35 e 18h20. Aos domingos, pelas 09h35, em versão compacto semanal. E, não se preocupe… se perder algum, o podcast está ainda disponível para smartphone, no site oficial da rádio portuguesa TSF e no Spotify.

“Tubo de Ensaio” inspirou, mais tarde, um livro de mesmo nome. Escrito por Nogueira e Quadros, surgiu uma compilação interessante de piadas que juntam o “worst-of” dos textos do programa.

Admito, Bruno Nogueira… sentiamos a tua falta.

“Tubo de Ensaio” Podcast Bruno Nogueira e João Quadros. FONTE: TSF