Artes nas ruas nas dicas culturais

Artes de ruas, urbanas e suburbanas.

3 de Setembro de 2020
Artes nas ruas nas dicas culturais

O Festival Portas do Sol arranca esta quinta-feira (3) na Covilhã e promove as artes de rua no Centro Histórico. A coluna VivArte inspira-se no evento para trazer três dicas relacionadas com artes de rua. São dicas sobre cultura e arte urbana e suburbana.

Ver > A Feira da Magia (Carnivàle) – HBO

Por Giovanni Ramos – Viva Serra

A Feira da Magia é uma série com duas temporadas de sucesso e vários elogios. É um drama que se passa nos Estados Unidos durante a Grande Depressão que antecedeu a Segunda Guerra Mundial (entre 1934 e 1935).

A série conta duas histórias: a de Ben Hawkins, um jovem acolhido por uma companhia de circo, com superpoderes e visões proféticas. E a de Justin Crowe um padre no Estado da Califórnia, também, com poderes que partilha os sonhos proféticos com Ben Hawkins. Ao longo da série, os dois protagonistas irão encontrar-se.

A série, também, retrata o dia a dia de uma companhia de circo, que procura trazer animação para uma sociedade falida e em crise.

—-

Ler > Mate-me por favor, de Larry McNeil e Gilliam McCain

Por Giovanni Ramos – Viva Serra

Ramones, Sex Pistols, Dead Kennedys. O punk é uma vertente do rock que explodiu nos anos 70 e 80 e continua até hoje como uma das mais importantes manifestações suburbanas da música. Mate-me por favor é uma leitura obrigatória para os fãs do estilo musical.

O historiador Larry McNeil e a escritora Gilliam McCain fizeram uma ampla pesquisa sobre a história do punk rock, que inclui muitas entrevistas com artistas e documentos que mostram os primórdios do movimento, ainda, nos anos 60.

Mate-me por favor mostra como os subúrbios de cidades dos Estados Unidos e de Inglaterra deram origem a um estilo que muito bem representa a sociedade da época: revolta, atitude e uma contra-cultura presente até aos dias de hoje.

—-

Ouvir > Eddie – Metropolitano

Por Fábio Jardelino*

Música e arte. Cidade. Ritmos folclóricos, música pop e rock – vivência de rua. Tudo isso se mistura e vira algo antes impensável, um movimento musical que invade. Transforma a cidade em personagem solene da construção musical.

O Manguebeat foi um movimento de contracultura surgido na cidade do Recife, capital de Pernambuco (Brasil), em 1991. Dentro desse turbilhão de sentimentos sonoros, que é o Movimento do Mangue, se destaca o álbum “Metropolitano”, da Banda olindense Eddie. São 13 músicas que elevam Olinda, cidade-irmã de Recife, ao papel de ser vivo mutável, uma figura essencial no papel construtor do caráter social.

Você, ouvinte, vai se deparar a uma ode sensível à vida social, aos problemas urbanos e principalmente àquela beleza que nasce nas ruas e se transforma em arte underground. Dentro deste universo de entendimento, as faixas 01, 02, 04, 09 e 13 (essa última, um hino da cena underground de Recife e Olinda), são o que você busca, se sua saga musical for a de caçar sons que vão além da simples música comercial.

* O autor é doutorando em Comunicação na UBI e colaborou voluntariamente com a coluna.